Ítalo Ferreira é uma vitória contra a xenofobia sudestina

O ouro olímpico de Ítalo Ferreira é uma derrota imensa para a imprensa sudestina e sua tradicional xenofobia. Não vou prolongar o comentário porque a ideia é ser breve, afinal, na história que está por trás dessa conquista, há muitas nuanças possíveis de abordagem e a saga de Ítalo já é conhecida de boa parte dos potiguares ou dos que acompanham o surfe. Quem não conhece, tomará ciência depois da vitória. A mídia está na obrigação moral de contá-la. Quero apenas replicar o que já havia dito em meu Instagram com alguns acréscimos.

A fé, família e foco certamente o deixam, felizmente e de algum modo, à margem dos negacionismos que vemos aqui fora. Mas é importante dizer. Não é preciso entender de Surf pra fazer um simples exercício de observar o tratamento dado a Ítalo pela mídia. 

Eles, a mídia viciada e xenofóbica, insistem em vender o Sudeste, o  modelo de playboy do Sudeste, a publicidade do Sudeste como padrão! Como sempre fizeram. Porém, adaptando um pensamento de Bourdieu sobre a televisão e aqui estendendo à mídia em suas diversas plataformas, à medida que os meios de comunicação são o árbitro do acesso à existência social e política, digo que esse árbitro errou feio porque julgou Medina imbatível e o modelo ideal de campeão que deveríamos cultuar. Só que sobre acesso à existência social Ítalo entende bem, especialmente depois de todos os perrengues porque passou até chegar a Tóquio. Tornar-se o árbitro de si, nesse caso, é uma façanha que o tempo ainda não permite mensurar. É enorme.

Eu “acompanhei” a narrativa todinha esses dias do surf. Me irritava demais por colocarem-no como se estivesse ali como coadjuvante, “esquecendo” o campeão mundial que ele também é. 

Claro que temos sudestinos maravilhosos, temos BRASILEIROS maravilhosos. 

Mas o maior do mundo é Nordestino. Se lascaram, como diz Gil do Vigor. O maior do mundo é brasileiro, nordestino, potiguar, de Baía Formosa.

A mídia tentou colocar Ítalo e Medina em comparação. São dois gigantes. Mas essa comparação não vem ao caso. Porque lamentar a derrota de Medina na mesma medida do enaltecimento da glória de Ítalo é patético. Porque aqui, assim como Ítalo, nós abraçamos o Brasil inteiro, nós não queremos impor um modelo nem uma separação de país.

A mídia sudestina é obrigada a colocar Ferreira no lugar que é dele: no Olimpo. Além da pequena Rayssa, a fadinha do skate, menina negra lá do Maranhão, aprendam com mais essa lição.

Parabéns e obrigado por nos encher de esperança.

Foto: Instagram de Ítalo creditada como de Jonne Roriz.

5/5
Williams Vicente

Williams Vicente

Jornalista, mestre em Ciências Sociais.

Deixe um comentário

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar, se desejar. Aceitar Leia Mais